Isvara é Deus no Yoga


Depois deste post lá no @yoga_contemporaneo, nossa conta no Instagram, gerou essa pergunta abaixo de uma hermana:


"Roberto!! Me explica o rolê do post sobre Isvara 😱 li todos os comentários e não sei se captei 🤪😂 sobre sua explicação sobre a visão monista, de que Deus está na terra, série o universo/ a natureza e não transcendente. E quando morremos voltamos à ele ( a natureza), mas não sei se entendi onde está a alma nisso. Pode me explicar melhor?"


Lê aí nosso diálogo:




Deus no monismo é o Todo; tudo o q vc vê, sente, toca e etc., são partes Dele. Você, eu e o passarinho cúrio também somos.
Nós, especificamente, somos formados por apenas 2 atributos|qualidades dos infinitos atributos d'Deus|Todo ou simplesmente Natureza - outro nome pra Ele no monismo.
Somos corpo|prakrti e mente|alma|Purusa: 2 modos Dele.
Mas como partes Dele, tudo quando morrermos, volta pra Ele.
Nada mantém-se o mesmo sempre. Tudo é mudança|devir.
A maior dificuldade, acredito a nós criados no pensamento católico|platônico e aristotélico, é entender o que "fica", né?
Nada fica depois da morte, tudo se transforma, está tudo em plena transformação.

Isso é Espinosa lido por um yogi moderno.


Então nesse sentido, não existe uma alma que seja eterna e que pode transmutar para outro corpo?
Não seríamos uma alma perfeita ocupando um corpo, seríamos propriamente o corpo é isso?
Aí também não entra a ideia de acumular karma de uma vida para outra e tal?

Minha resposta:


Exato. Não. Entrementes, não somos só corpo, senão cairíamos em um materialismo.
Somos corpo|prakrti e alma|Purusa - 2 modos d'Deus.